segunda-feira, 15 de julho de 2019

NOS JORNAIS

 
 2.740 vagas em concursos com salários de até R$ 8 mil
 595 mortes em cinco meses no MA
 Ônibus irão suprir a falta de metrô
 Fim do PAC ameaça conclusão de obras
 Congresso e governo disputam a reforma tributária
 Governo deve acelerar entrega de cargos a aliados políticos
 Maioria rejeita o afrontamento das regras de trânsito
 Estados articulam volta à reforma e saídas para rombo

quinta-feira, 11 de julho de 2019

NOS JORNAIS

 Câmara dos deputados aprova texto principal da reforma da Previdência

 Confira destaques e emendas votadas na Câmara Federal 
 Reforma da Previdência é aprovada na Câmara
 Reforma consolidada
 Reforma aprovada
 Previdência avança com votação surpreendente
 Liderada por Maia, Câmara aprova Previdência em 1º turno por 379 votos
 Câmara aprova idade minima para a Previdência por 379 a 131 votos
 Liderada por Maia, Câmara aprova com folga a reforma da Previdência 

quarta-feira, 10 de julho de 2019

ZUENIR VENTURA - O presidente e a cultura

Quando um jornalista lhe pediu uma declaração sobre a morte de João Gilberto, o presidente Bolsonarao limitou-se a dizer em meio à comoção geral: “Ele era uma pessoa conhecida. Nossos sentimentos à família, tá ok?” E só. Os mais importantes jornais estrangeiros já tinham noticiado com destaque e pesar o falecimento do artista, classificando-o não como uma “pessoa conhecida”, mas como o reconhecido gênio que levou o mundo a aplaudir a bossa nova e fez de sua voz, quase um murmúrio, um som universal.

É estranho, porque Bolsonaro não faz economia de palavras quando não deve. É o rei da gafe e da inconveniência. Uma vez escrevi que ele sofria de incontinência verbal, e isso provocou reclamações. Não é implicância. Se ele conseguisse ficar sem opinar por algum tempo, esse silêncio obsequioso lhe faria muito bem, e ao governo também.

O Google está aí para provar, com o registro de centenas de frases polêmicas. Há suas famosas afirmações homofóbicas (“Seria incapaz de amar um filho homossexual”), contra a mulher (“Ela é muito ruim, feia, jamais a estupraria”), racistas (“Quilombolas não fazem nada. Nem para procriador servem mais”), a favor da violência (“Vamos fuzilar a petralhada toda aqui do Acre”, “O erro da ditadura foi torturar e não matar”) e muitas outras que não cabem neste espaço.

Quando se cala em relação às conquistas do cinema brasileiro em Cannes e de Chico Buarque com o Prêmio Camões ou, como agora, em que se refere ao genial intérprete de “Chega de saudade” sem um elogio, sem uma homenagem, sem luto oficial, trata-se de um recado implícito: a cultura é para ele um prato indigesto.

O seu último palpite infeliz foi a defesa do trabalho infantil: “Trabalhei desde os 8 anos de idade plantando milho, colhendo banana, com caixa de banana nas costas com 10 anos de idade e estudava. E hoje sou quem sou. O trabalho dignifica o homem, a mulher, não importa a idade”.

A versão de seu irmão Renato é outra: “Meu pai (…) nunca deixou um filho trabalhar, porque achava que filho tinha que estudar”.

Sem comentários.

NOS JORNAIS

 Discussão da Previdência invade a madrugada e votação deve ficar para hoje, prevê Rodrigo Maia

 Governo Federal garante desburocratização e ampliação no Porto do Itaqui
 52 vagas abertas para o Mais Médicos no MA
 Fazendo contas para aprovar reforma hoje
 Justiça mantém alta na conta de água
 Câmara faz "maratona" para aprovar Previdência
 Reforma vai a plenário; Placar aponta pelo menos 298 votos
 Congresso aumenta a fatura pela Previdência
 Pressões complicam votação da reforma na reta final

terça-feira, 9 de julho de 2019

NOS JORNAIS

 Flávio admite disputar sucessão presidencial, mas diz que foco agora é fazer um bom governo

 Homologado resultado do concurso da Câmara
União revisará área de atuação do Itaqui
 Maioria da bancada do PE votará por reforma
 Maioria da bancada do Ceará é contra reforma da Previdência
 Planalto afirma ter votos para aprovar Previdência hoje
 Governo tenta controlar PSL para não esvaziar reforma
 Datafolha vê apoio maior à reforma da Previdência
 Governo acelera liberação de emendas para aprovar reforma

segunda-feira, 8 de julho de 2019

NOS JORNAIS

 Proposta de Previdência deve ser aprovada por pouco mais de 325 deputados, prevê Maia

 "Mapa" para o sucesso - Maranhão aposta em parcerias para crescer
Copa América - É do Brasil!
 O campeão voltou
 Com Cebolinha decisivo, Brasil é campeão
 Previdência vai à votação sob pressão
Delação da Odebrecht 'ignora' favorecidos por R$ 14 bi 
 Bolsonaro tem aprovação de 1/3 da população, diz Datafolha
 Maioria dos Estados gasta mais com PM aposentado que na ativa