sexta-feira, 19 de abril de 2013

Relatório Figueiredo, de 1967, relata extermínio de índios no Maranhão

  Em um trecho do "Relatório Figueiredo", documento produzido pelo procurador Jader de Figueiredo Correa relatando extermínios de tribos indígenas em solo brasileiro, há registro de chacinas no Maranhão, em que “fazendeiros liquidaram toda uma nação”.
    O relatório foi encontrado recentemente no Museu do Índio, no Rio de Janeiro,com mais de 7 mil páginas preservadas e contendo 29 dos 30 tomos originais. Durante 45 anos o documento ficou desaparecido. Foi encontrado pelo vice-presidente do grupo Tortura Nunca Mais e coordenador do Projeto Armazém Memória, Marcelo Zelic. As chacinas contra os índios eram praticadas por latifundiários e funcionário do Serviço de Proteção ao Índio, SPI, órgão extinto do Ministério da Interior.
    Caçadas humanas com metralhadoras e dinamites atiradas de aviões, inoculações de varíola em povoados isolados e doações de açúcar com estricnina constam no texto do procurador Figueiredo escrito em 1967, em plena vigência da Ditadura militar instalada em 1964.
    Para elaborar o documento uma expedição percorreu 16 mil quilômetros no país, visitando postos indígenas e entrevistando agentes do SPI. À época houve recomendação da demissão de 33 agentes do SPI e suspensão de outros 17.Todas foram inocentadas pela Justiça.
No Maranhão, boa parte da mata eliminada pertencem aos índios. Dos 42.390 quilômetros quadrados de floresta original ainda existente no estado, 52% pertencem aos índios. segundo o Censo de 2010, 26.062 índios ocupam 17 áreas demarcadas. Levantamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, Inpe, mostram desmatamento em 13% destas áreas.
Os casos mais graves ocorrem no município de Amarante. A exploração do jaboprandi é fonte de riqueza de aventureiros que ficaram famosos. Histórias destes aventureiros está na série de livros intitulada "Aconteceu, povos indígenas do brasil", publicada pelo centro Êcumênico de Documentação e Informação", da década de 80.
Dezenas de toras de madeiras deixaram a reserva do Araribóia, dos índios gavião, em Amarante, nos últimos anos. O preço por caminhão varia entre R$ 50 e R$ 100. As serrarias funcionam a todo vapor no município.
 
Municípios onde existem aldeias de índios no Maranhão:
Centro do Guilherme
Itinga do Maranhão
Grajaú
Barra do Corda
Jenipapo dos Vieiras
Buriticupu
Arame
Bom Jesus das Selvas
Centro Novo do Maranhão
Zé Doca e Santa Inês.
 
Com informações de agências 


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário